• Lattualita

    COLUNISTAS

    SAúDE

    Carlos Eduardo Berbigier de Rosso - carloseduardoderosso@gmail.com

    Exercício físico e a pandemia

    Educador físico Carlos Eduardo de Rosso fala sobre a adaptação da atividade física em tempos de pandemia e transformação dos espaços para receber novamente seus alunos

    2 semanas atrás

O exercício físico é conhecido por ter grande impacto no sistema imunológico. Exercícios moderados e intensos, feitos regularmente, têm mostrado melhora da resposta imunológica, diminuição do estado inflamatório crônico e melhora dos diversos fatores imunológicos de doenças como câncer, HIV, doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade.

Com o isolamento social imposto e sugerido pelas autoridades, muitas empresas e comércios tiveram que fechar as portas e isso inclui academias e clubes recreativos e esportivos. As pessoas começaram a ter que se exercitar em casa, através de vídeos-aulas e/ou exercícios prescritos por seus professores, ou até pelo repertório e conhecimento de cada um, o que nem sempre traz o mesmo resultado e não há assiduidade. O esporte coletivo, que, necessariamente, precisa de aglomeração de pessoas, deixou de ser praticado por todos.

A pandemia do COVID-19 devastou a economia e está trazendo diversas transformações no cotidiano das pessoas. A máscara, obrigatória nos dias de hoje, se tornou parte das vestimentas das pessoas, a higienização é algo imprescindível para todos e o álcool em gel ou álcool 70% se tornou utensílio insubstituível em todos os lugares e nas casas das pessoas. A falta de contato entre as pessoas, não poder apertar a mão de um conhecido, não abraçar um amigo ou familiar são situações que nos fazem muita falta, mas o medo de estarmos passando uma doença para o outro ou estar se contaminando é muito grande. Cuidar e respeitar esse vírus é importante, mas o medo instaurado e, muitas vezes, promovido, é muito maior.

Com a retomada do convívio social e a reabertura de locais públicos, as pessoas vêm tentando voltar à sua rotina.  As academias e locais especializados em promover a saúde através do exercício físico se reestruturaram para receber seus alunos. Na nossa cidade, todas as academias e interessados em manter seus negócios ativos e promover a saúde, estão agindo conforme os decretos municipais e tomando todos os cuidados possíveis para que seus alunos frequentem os ambientes sem haver qualquer perigo de contaminação. O desafio agora não é mais o vírus para essa classe, mas sim vencer o medo das pessoas.

Temos muitos alunos que não fazem parte do grupo de risco, descrito pelo ministério da saúde, e não retornaram as suas atividades normais por receio de se contaminar. Não se pode discriminar essas pessoas que não se sentem tranquilas, ninguém vai tirar a razão de quem quer se resguardar um pouco mais para retornar a sua rotina normal. Só posso, da minha atual posição e visão, afirmar que com todos os profissionais que conversei, seja Personal Trainer, gestor de academias e clubes, instrutores de academias, donos de estúdios de Pilates e Educadores Físicos e Fisioterapeutas no geral, todos estão tomando os mais diversos cuidados para receber seu público e proporcionar aos seus alunos uma qualidade de vida melhor, o que, como já vimos, é muito importante para combater diversas patologias com o aumento da imunidade, inclusive o coronavírus.