• Lattualita

    CORONAVíRUS

    Dois pacientes com coronavírus recebem alta do Hospital São João Bosco, em São Marcos: ‘bons exames e bom estado clínico’

    Hospital São João Bosco segue com apenas um paciente com coronavírus internado. Médico Roberto Pessini detalha critérios para alta hospitalar de pacientes

    2 semanas atrás

Desde esta quinta-feira, dia 21 de maio, o Hospital São João Bosco, de São Marcos, conta com apenas um paciente com coronavírus internado. Outros dois pacientes receberam alta hospitalar nas últimas 24 horas, conforme informa a gestora do Hospital, Aline Brochetto. “Tínhamos 3 pacientes e dois tiveram alta, um no final da tarde desta quarta (20) e outro hoje (21) pela manhã. No momento da melhora do paciente, o médico libera e nós avisamos a Secretaria Municipal de Saúde, que continua o monitoramento e é responsável por realizar o teste para ver se o paciente está curado”, detalha Aline. De acordo com ela, o paciente que permanece internado no HSJB é o sexto caso de covid-19 registrado no município, homem de 59 anos diagnosticado com o novo vírus na manhã desta quarta-feira (20), quando o exame PCR realizado pelo Laboratório Lacen, de Porto Alegre, testou positivo.

De acordo com um dos médicos responsáveis pelo atendimento aos pacientes com coronavírus em São Marcos, o cirurgião gastroenterologista Roberto Pessini, o paciente que segue internado apresenta boa recuperação. “Por enquanto está super bem, está fazendo acompanhamento laboratorial, pressão e oxigenação normais, está se mantendo bem”, assinala o médico.

Alta hospitalar de pacientes com coronavírus: ‘se estiver com bons exames laboratoriais e em bom estado clínico, liberamos’

Os critérios para que os pacientes diagnosticados com coronavírus recebam alta do Hospital são explicados pelo médico Roberto Pessini. “O paciente ainda pode ter sintomas (do coronavírus), mas, se estiver com bons exames laboratoriais e bom estado clínico, liberamos. Estando bem com a oximetria, que é um parâmetro para ver a oxigenação; a pressão estável, que não esteja baixa; e não tendo dificuldades respiratórias, já são padrões que estabelecemos para a liberação do paciente. Se o paciente está se sentindo bem e os exames também estão adequados, liberamos, mas sob vigilância, porque não é apenas ‘ir para casa e não entrar mais em contato’”, salienta Roberto Pessini.

Segundo o médico, o paciente que recebe alta continua tomando medicação para os sintomas do coronavírus. “Só medicação sintomática, para aliviar dor, desconforto, mas a medicação em si (para o coronavírus) já foi toda administrada durante a internação, já foi feito o ciclo”, explica Roberto Pessini. Ele destaca que, após cerca de duas semanas do início dos sintomas, o paciente pode ser submetido a novo teste de coronavírus. “O ideal é ser testado para ver se já está com a imunidade alta. E aí testando negativo, acaba o período de isolamento domiciliar”, detalha o médico.

Roberto Pessini: ‘As pessoas têm que ser testadas, depois isolar e tratar adequadamente’

Roberto Pessini aponta para a importância das pessoas realizarem o teste para coronavírus. “As pessoas têm que ser testadas, e depois isolar e tratar adequadamente, mas o tratamento na realidade tem controvérsias. Existe uma discussão muito grande em torno do tratamento.  Nós estamos usando o que está mais ou menos padronizado pelo Ministério da Saúde e sendo feito em outros hospitais. Mas sabendo-se que ainda não tem nada muito certo em relação à resposta dessas medicações que estão sendo usadas”, assinala Roberto Pessini, ressaltando que muitos estudos precisarão ser feitos para confirmar a eficácia das medicações que estão sendo propostas. “A medicina está aprendendo ainda com essa doença, porque ainda não há nenhum estudo que diga que tal medicação realmente é eficaz. Estamos medicando os pacientes com aquilo que alguns estudos sugeriram que pode ajudar”, revela Roberto Pessini.