• Lattualita

    COLUNISTAS

    Carlos Eduardo Berbigier de Rosso - carloseduardoderosso@gmail.com

    O sonho do profissionalismo esportivo

    No Brasil, 9 em cada 10 meninos sonham em ser um jogador de futebol. Na infância, esse sonho se explica pela magia que o futebol desperta na criança. A paixão pela equipe do coração, a idolatria aos ídolos da bola e o interesse público no futebol explicam a intenção e o desejo de muitas crianças de serem jogadores profissionais de futebol

    5 meses atrás

Estamos em meio à Copa São Paulo de Futebol Junior, em que atletas de 120 equipes de todo Brasil disputam não só o título, mas a oportunidade de aparecer cada vez mais nos jogos de sua equipe, uma vez que este tradicional evento é a competição que abre o calendário futebolístico brasileiro, sendo televisionado para toda a federação. Dentro dessa competição, existem inúmeros sonhos e realidades, inúmeras histórias de superação e dificuldades enfrentadas, além de uma desigualdade surreal entre as próprias equipes e estruturas. Esses atletas do sub 20 estão na reta final para se tornarem profissionais, muitos deles defendendo equipes que possuem muita história no futebol, mas mesmo assim, nada é garantia que sua carreira já está definida. Há muitos talentos nas categorias de base, disputando competições como esta, mas a grande maioria dos atletas chega na última categoria de base antes do profissional com muita incerteza sobre seu futuro.

O funil do profissionalismo esportivo é muito grande. Menos de 1% dos atletas conseguem chegar ao profissionalismo. A dificuldade é imensa, seja no futebol, basquete, vôlei, tênis ou em qualquer esporte. A dedicação tem que ser enorme.

 

A dedicação, a concentração e o comprometimento de qualquer um que queira viver do esporte é imensa, mas hoje em dia não basta só isso, um atleta tem que ser inteligente, saber socializar e estudar. Salvo as exceções, em que o talento esportivo fala mais alto, a grande maioria precisa aliar o estudo com um volume absurdo de treinamento, mas o fim com certeza justifica o meio. O vídeo abaixo, produzido pela Gatorade, nos dá uma ideia do quanto é necessário se dedicar para termos um rendimento próximo de um nível profissional. Basta você se perguntar: eu tenho o que é necessário? Quanto tempo a mais eu preciso treinar e o quanto treinar? Eu realmente quero isso?

 

 

A criança, que sonhou em ser o ídolo, treinou, se dedicou e abdicou de muitas horas de lazer, competiu muito, atravessou a adolescência aliando como pôde os estudos com viagens, treinos e jogos, e finalmente conseguiu atingir o profissionalismo e viverá, durante uma parte de sua vida, ganhando dinheiro para fazer o que gosta e sempre almejou, sabe, ao olhar para trás, que o caminho foi muito, mas muito difícil e sacrificado, mas certamente valeu a pena.

Em tudo na vida, terá que fazer escolhas, terá que “ralar” muito para atingir seus objetivos. A satisfação, o êxtase em desfrutar de cada objetivo alcançado, não tem preço. Para a grande maioria dos atletas, ao assinarem o primeiro contrato profissional, significa um objetivo muito grande atingido, mas também o começo de uma trajetória intensa. A dedicação, perseverança e o comprometimento sempre devem nortear sua carreira em busca do sucesso.

 

Carlos Eduardo Berbigier de Rosso

Gerente de Esportes da AMSM