• Lattualita

    ESPORTES

    Escolinha de futebol de São Marcos conquista dois troféus em Caxias

    Escola de Futebol Atlético RS, do professor Jhosef de Jesus, participou da Copa F7 em Caxias do Sul e saiu campeã com as categorias sub 9 e sub 13 e vice na sub 11 e sub 15. Alunos participam das aulas gratuitamente no Estádio Municipal Elias Soldatelli

    10 meses atrás

    Equipes de quatro categorias disputavam competição na UCS desde abril deste ano (Fotos: divulgação)

Em atividade desde 2006, neste ano a Escola de Futebol Atlético RS representou São Marcos na Copa F7, em Caxias do Sul. Os times não apenas representaram o município, como também conquistaram dois troféus de campeões. A Copa, idealizada neste ano pela Apafut, da Universidade de Caxias do Sul, iniciou em abril e teve 12 rodadas no total, com a participação de quatro equipes da escolinha são-marquense. Os alunos dos times sub 9, sub 11, sub 13 e sub 15 disputaram as partidas contra seis escolinhas de Caxias, e se destacaram em todas as categorias. Na final, que aconteceu neste sábado, 8 de dezembro, dois dos times de São Marcos saíram campeões. O sub 9 disputou o troféu contra a Apafut e ganhou por 4 a 2, e o sub 13 jogou contra o Piá 10 e venceu por 4 a 0. As outras duas equipes ficaram vice-campeãs. A sub 11 perdeu de 2 a 1 para o Pequenos Mosqueteiros e o sub 15 perdeu de 3 a 1 para o Zico.

Na chegada a São Marcos, os times fizeram carreata pela cidade em comemoração aos títulos. Nesta semana os alunos disputam também a Copa Altos da Serra de Futebol de Base, em São Marcos, organizada pelo próprio professor da escolinha, Jhosef Darllã de Jesus. A competição tem a participação de outras equipes da Serra gaúcha nas categorias sub 10, sub 12, sub 14 e sub 16. As semifinais acontecem nesta quinta-feira (13), no Campo Municipal, e a final será na Linha Santana, no sábado (15). A Escola de Futebol Atlético RS conta com cerca de 110 alunos, de 6 a 20 anos, divididos nas categorias sub 7, sub 9, sub 11, sub 13, sub 15, sub 17 e sub 20. Os treinos acontecem nas quintas, terças e sábados, no Estádio Municipal Elias Soldatelli.

Escolinha conta com apoio da prefeitura desde 2017

De acordo com o professor e proprietário da Escola de Futebol Atlético RS, Jhosef Darllã de Jesus, desde 2017 a equipe conta com o apoio da prefeitura de São Marcos para dar sequência às atividades. “Eu trabalho com isso desde 2006, mas esse foi o único governo que realmente nos apoiou. Agora conseguimos fazer um trabalho melhor. A prefeitura ajuda sedendo ônibus, paga a arbitragem, inscrições em campeonatos e meu salário”, revela Jhosef, ressaltando que as atividades são totalmente gratuitas para as crianças. “As crianças não pagam nada, é um projeto social, eles vêm de todas as partes da cidade, bairros, centro, interior, e tem transporte pra todo mundo. Um ônibus da prefeitura passa em todos os bairros e leva para o treino. Quando acaba leva de volta para casa”, conta.

Além da prefeitura, a escolinha de futebol também conta com outros apoiadores, como a CIC de São Marcos, através do diretor de Esportes, João Fortunatti, e Come Come Lanches, através do proprietário Natalino Prace. Como as atividades são gratuitas, Josef explica que os familiares que têm condições podem fazer contribuições espontâneas à entidade. “Tem a comissão de pais também que ajuda a manter algumas despesas com colaboração espontânea. Entregamos um envelope mensal para cada aluno e o pai paga o que puder”, explica.

‘Para jogar futebol também tem que estudar’

Jhosef ressalta, ainda, a importância de manter o projeto em São Marcos como benefício aos alunos participantes, que muitas vezes são de famílias de baixa renda. “Para as crianças com certeza melhora tudo, a participação escolar, as notas, o comportamento, disciplina, movimento motor, relação familiar, muitos pais relatam que eles melhoram dentro de casa”, comenta, destacando que as notas na escola não são um pré-requisito para ingressar nas equipes, mas a educação sempre é trabalhada e incentivada. “Eu abraço Deus e todo mundo, aqui não tem exclusão, tem inclusão. Trabalhamos em cima de potencializar a educação também. Se a criança não está bem na escola nós vamos conversar. Quando o pai tira ela do futebol, que é o que ela mais gosta, a criança não vai melhorar, então tem que dialogar e mostrar que para jogar futebol também tem que estudar”, pontua Jhosef.