• Lattualita

    AGRICULTURA

    Entidades de São Marcos organizam excursão para o 32º Encontro Nacional dos Produtores de Alho

    Emater, Sindicato Rural, Secretaria de Agricultura e Sicredi promovem mais uma viagem de conhecimento para os produtores de alho de São Marcos. Pelo menos 45 são-marquenses deverão participar

    2 semanas atrás

    Em 2018, encontro foi sediado no município de Frei Rogério, em Santa Catarina (Foto: divulgação Anapa)

Nesta sexta-feira, dia 8 de novembro, acontece em Ipê o 32º Encontro Nacional dos Produtores de Alho. O encontro deve reunir centenas de produtores, com o objetivo de apresentar a realidade e os desafios da produção no país. No Brasil existem mais de 12 hectares de área plantados e uma produção anual de 140 milhões de quilos. A programação do evento envolve palestras técnicas sobre a cultura, discussões sobre os parâmetros atuais da produção e planejamentos sobre o futuro da cultura do alho. A entrada é gratuita.

São Marcos nunca fica de fora do encontro e nesse ano não será diferente. A Emater, Sindicato dos Produtores Familiares, Secretaria de Agricultura e Sicredi se uniram para organizar excursão para os produtores são-marquenses. Pelo menos 45 pessoas devem representar o município, além daqueles que irão por conta própria, sem vínculo com as entidades. “Vamos com um ônibus cheio e tem mais o pessoal que vai de carro. Todo encontro nacional a gente participa, porque tem palestras, perspectivas de mercado, de preço. Esse é o 32º Encontro e nós participamos de todos”, destaca o técnico da Emater de São Marcos, Eri Zanella.

São Marcos possui cerca de 130 produtores de alho e já sediou o Encontro Nacional pelo menos em outras quatro edições. A representatividade do município no setor é grande, por isso Eri considera ainda mais importante a participação dos são-marquenses no evento nacional. “O evento vai ter palestra técnica, que é sempre muito importante, porque no alho sempre tem novidades, como o aperfeiçoamento da semente. Essas coisas todas são importantes de ouvir e quem é da área precisa se aperfeiçoar”, ressalta.

Junto ao Encontro Nacional do Alho ocorre a feira de agronegócios com exposição de máquinas e insumos agrícolas, na área externa do salão paroquial de Ipê. São Marcos também terá representante neste setor do evento, com expositor de colheitadeira de alho, fabricada pela empresa local Menegon Automotivos.

Palestra abordará direito antidumping sobre o alho chinês

O evento realizado pela Associação Nacional dos Produtores de Alho (Anapa) e Associação Gaúcha dos­­ Produtores de Alho (Agapa) inicia a partir das 13h30, com o credenciamento, e, a partir das 14h, começa a série de palestras. A palestra técnica terá como tema “O Alho no Cerrado e Inferências para Manejo da Cultura em SC e RS” e será com o consultor técnico na produção de hortaliças, Carlos Inácio Garcia de Oliveira. Em seguida acontece a palestra de mercado, com o engenheiro agrônomo, Marco Antônio Lucini. Às 16h é o momento para apresentação de linhas de crédito rural.

Rafael Corsino, presidente da Anapa, fala sobre as taxas sobre o alho chinês (Foto: divulgação)
Rafael Corsino, presidente da Anapa, fala sobre as taxas sobre o alho chinês (Foto: divulgação)

Às 17h haverá painel com o presidente da Anapa, Rafael Corsino. Ele falará sobre os desafios que a cultura tem enfrentado com os produtos importados. No início de outubro, o setor obteve uma importante vitória com a publicação, no Diário Oficial da União, da prorrogação por cinco anos do direito antidumping sobre o alho chinês. Durante esse período, o alho chinês fresco ou refrigerado será taxado em 0,78 centavos de dólar por quilo importado pelo Brasil, independente da classificação em tipo, classe, grupo ou subgrupo. O objetivo da medida é proteger, da concorrência desleal, a alhicultura brasileira, que abastece metade do mercado nacional. “Uma coisa que vai ser importante no evento é a renovação da taxa antidumping para o alho chinês, isso é muito importante, porque o alho que vem da China é muito barato e precisamos falar sobre o assunto”, destaca Eri Zanella.

Às 17h30 será momento para debate e perguntas sobre os temas abordados. E, às 19h, será servido o jantar de encerramento. O 32º Encontro Nacional é realizado por meio de parceria entre a Anapa e a Agapa, com apoio da prefeitura de Ipê, Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente de Ipê, dos Sindicatos dos Trabalhadores Agricultores Familiares de Ipê, Flores da Cunha, Nova Pádua e São Marcos, da Sitraf Ipê, da Emater-RS/Ascar e da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag-RS).

Valmor Zanella é um dos são-marquenses que participará do Encontro Nacional

Valmor Zanella comercializa sua produção com a marca Roxo Forte (Foto: arquivo pessoal)
Valmor Zanella comercializa sua produção com a marca Roxo Forte (Foto: arquivo pessoal)

Valmor Zanella é um dos produtores são-marquenses que estará presente no 32º Encontro Nacional dos Produtores de Alho. Em entrevista ao L’Attualità ele fala sobre as expectativas da colheita nesse ano, que deve iniciar ainda no mês de novembro. “Pelo que a gente vê nas vendas, com a renovação da taxa antidumping, a comercialização tem a tendência de ser boa. Mas o fator climático tem preocupado muito, porque o excesso de chuva pode fazer com que o alho pegue bactéria e perca qualidade”, observa Valmor. Ele, que comercializa o alho embalado há quase 20 anos para a rede Andreazza de supermercados, destaca a necessidade de melhora no clima para que a produção seja satisfatória. “A gente está bem assustado, mas temos esperança que melhore o tempo, senão a gente não consegue nem colher. Tem que rezar para normalizar nas próximas semanas, senão a tendência é assustadora”, lamenta Zanella. Ele cultiva cerca de 7 hectares de alho, das variedades San Valentin, Caçador e Chonan.