• Lattualita

    AGRICULTURA

    EMPRESAS

    Agro CP traz novo conceito de loja agrícola para São Marcos: ‘da lavoura até a casa do agricultor’

    Loja dos sócios Estevão Pedrotti e Valdomiro Castilhos oferece extensa linha de produtos e máquinas agrícolas. Agro CP já expandiu para concessionária e abrirá oficina de manutenção ainda em 2019

    4 semanas atrás

    Sócios da Agro CP, Estevão Pedrotti e Valdomiro Castilhos, e funcionária Mari (Fotos Jornal L'Attualità)

Loja agrícola que já expandiu para concessionária e em breve contará também com oficina, a Agro CP atende desde setembro de 2018 em São Marcos. Sob o comando dos sócios Estevão Pedrotti e Valdomiro Carraro de Castilhos, a loja está localizada desde o último mês de maio na Rua Carlos Gomes, número 443, Centro. Antes teve como primeiro endereço a Rua 15 de novembro, número 355, onde funciona atualmente a Focinhos e Carinhos Clínica Veterinária e Pet Center. Um dos proprietários da Agro CP, o técnico agrícola Estevão Pedrotti, conta que já trabalha nesta área há mais de 19 anos. “Me formei como técnico agrícola em 2000, atuei na área, e depois cerca de 7 ou 8 anos trabalhei numa empresa de controle biológico, mas ao mesmo tempo focada na linha agrícola, fora de São Marcos. Viajei o Brasil todo. Depois entrei como sócio de uma loja em Farroupilha, a Solagri Máquinas e Produtos Agrícolas. Eu continuei morando em São Marcos e ia para Farroupilha. Nessa época eu já tinha o intuito de abrir uma filial aqui em São Marcos, porém, com o andar do tempo, a gente cresceu bastante em Farroupilha, e acabamos não tendo essa iniciativa de abrir uma filial aqui”, revela Estevão, ressaltando que está se desligando da empresa de Farroupilha para se dedicar exclusivamente à Agro CP. “Abrir uma nova empresa com um novo sócio em São Marcos fica muito melhor na questão da logística. O Valdomiro e eu já tínhamos essa ideia de abrir uma empresa voltada ao ramo agrícola. Ele trabalhou 30 anos no setor de comércio de produtos agrícolas, tendo um bom conhecimento desse mercado”, destaca Estevão.

Estevão Pedrotti, um dos proprietários da Agro CP

‘A ideia é sermos uma concessionária do ramo de máquinas agrícolas, com uma oficina para dar suporte na questão de manutenção’

Conforme relata, inicialmente a loja agrícola era pequena e também contava com linha de pet shop e rações. Após a mudança de endereço, a Agro CP não só cresceu como também passou a ser uma concessionária de máquinas agrícolas. “Nós movimentamos todo aquele trabalho que já tínhamos começado para reiniciar de uma forma bem diferente. Aí fizemos essa divisão de empresas, ficamos com o pet shop Focinhos e Carinhos no nosso endereço antigo, administrado pela nossa sócia Francine Fabbris, e trouxemos toda a loja agrícola para cá. E agora já somos também uma concessionária Stihl”, detalha o proprietário da Agro CP. Estevão Pedrotti antecipa que ainda em 2019 a loja passará a contar também com uma oficina agrícola. “Estamos almejando em pouco tempo abrir uma oficina agrícola, que é um ramo que está bem carente aqui em São Marcos. A ideia é sermos uma concessionária do ramo de máquinas agrícolas, principalmente de máquinas Stihl, e essa oficina ao lado do pavilhão da loja dará o suporte na questão de manutenção”, aponta Estevão, salientando o objetivo da Agro CP de prestar uma boa assessoria para o produtor rural. “O produtor vai poder comprar uma máquina e vai ter assistência no mesmo local, através da oficina, e junto com isso uma assessoria agrícola também, prestando serviços como análises de solo, regulagem técnica de equipamentos de pulverização, entre outros. Então vai ser uma loja com foco agrícola, mas mais completa”, observa Estevão.

‘Pensamos naquilo que o produtor rural realmente precisa ter na sua casa’

Ele cita o que os produtores rurais já podem encontrar na Agro CP. “Toda a linha de defensivos agrícolas; toda a linha de máquinas agrícolas leves, como motosserras, roçadeiras, sopradores, cortadores de grama; e máquinas pesadas, como equipamentos para tratores, perfuradores e carretas agrícolas. Das principais marcas do mercado, como Stihl, Motomil, Trapp, Magnojet, São José, Lavrale, Belgo, etc. Temos uma linha completa de ferragens, desde equipamentos para o campo até utilidades domésticas para os produtores e público em geral. Ou seja, da lavoura até a casa do agricultor. Pensamos naquilo que o produtor rural realmente precisa ter na sua casa”, assinala Estevão. Conforme destaca, o foco inicial da Agro CP é o mercado são-marquense. “Eu sempre digo que primeiro a gente tem que atender bem o povo de casa. O comércio aqui em São Marcos tem potencial, é um mercado ainda bem deficiente nesse ramo, e tem muito para ser explorado. Mas já temos vendedores vinculados em Flores da Cunha, Campestre da Serra, Vacaria e Caxias do Sul, porque o mercado agrícola se forma desse vínculo, do relacionamento que vamos construindo com os produtores, ele normalmente não fica apenas no mercado local”, pontua Estevão Pedrotti.

Liberação de agrotóxicos pelo governo: ‘adequação de toxicologia dos produtos’

O Ministério da Agricultura aprovou no último dia 22 de julho o uso de mais de 51 tipos de agrotóxicos no mercado brasileiro. O ritmo de liberação dos novos pesticidas é considerado o mais alto já registrado para o período. Segundo dados do Greenpeace, desde o início do governo do presidente Jair Bolsonaro, 290 substâncias foram liberadas para utilização. O técnico agrícola são-marquense Estevão Pedrotti ressalta que o processo é necessário para a adequação da toxicologia de produtos. “Eu tenho um conhecimento de muitos anos com produtos agrícolas. Toda pessoa que não tem esse conhecimento sobre o que é o mercado agrícola e a produção agrícola, vai nos definir como ‘envenenadores’. Porém, todo esse processo que está acontecendo é para fazer uma adequação da toxicologia dos produtos. Estamos com produtos aqui no Brasil com toxicologia 1, que é altamente tóxico, e que são produtos que na Europa são de toxicologia 3, ou seja, são medianamente ou pouco tóxicos. Então nós estamos usando uma legislação de 30 anos atrás e que ninguém mexeu, porque existia um marketing muito grande. O Brasil usa um marketing de ser o maior usuário de defensivos agrícolas do mundo, mas nós somos também um dos maiores produtores mundiais, ou seja, nós estamos matando a fome da população e estamos sendo criticados”, observa Estevão.

O sócio-proprietário da Agro CP aponta que o país está melhorando na questão da tecnologia e controle de produtos. “Hoje nós temos um controle do produto que entra na empresa, no momento que eu tiro a nota para a empresa eu já estou informando a Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental), Ceapa (Comissão Especial dos Acordos sobre Produtos Agrícolas) e Ministério da Agricultura para quem eu estou vendendo o produto, de que forma o produto vai ser usado e a quantidade que ele está comprando. Então eu acredito que estamos indo por um caminho muito bom”, assinala o técnico, salientando que está se abrindo um “leque de indicações”. “Tem produtos que eram indicados para soja e milho, por exemplo, e que hoje nós temos indicação para repolho, alface, e muito mais. E existe também uma grande gama de produtos que estão sendo trabalhados, que são produtos menos tóxicos, e já estão entrando no mercado”, revela Estevão.